Você tem alguma dúvida? contato@psicologiaanimal.com.br

Banho e tosa: dicas para quem trabalha com a limpeza dos cachorros

Banho e tosa: dicas para quem trabalha com a limpeza dos cachorros
06/04/2019 admin

A hora do banho deveria ser uma das horas mais felizes para os cães, mas nem sempre é o que ocorre. Muitos ficam ansiosos e com medo quando vão ao pet shop. O ambiente diferente, as pessoas novas e o manuseio por um desconhecido podem desencadear reações de estresse. Para minimizar e até mesmo prevenir quadros assim, existem algumas recomendações importantes aos tutores. No entanto, o momento da higiene dos bichinhos requer também uma preparação específica e conhecimentos por parte da equipe de profissionais, que vão muito além das técnicas de limpeza e corte.
Com foco na qualidade do atendimento e no desempenho dos responsáveis pelo banho e tosa nas clínicas veterinárias e pet shops, preparamos este artigo que traz dicas de como o comportamento dos humanos reflete e molda o comportamento dos cães. Além do sofrimento que os cães podem sentir, os profissionais também podem estar em risco. Isto devido a fatores dos mais diversos e que podem influenciar para estas situações indesejáveis, tais como: aspectos ligados a recepção do animal, o toque ao manipulá-lo, o reconhecimento do ambiente e a agressividade por medo que alguns cães manifestam. Nestas e em outras situações, o profissional precisa saber como se posicionar. Acompanhe a leitura e veja como isso pode ser feito!
 

Tranquilidade, técnica, paciência e amor: requisitos básicos para o profissional de banho e tosa

Tranquilidade, técnica, paciência e amor: requisitos básicos para o profissional de banho e tosa

Tranquilidade, técnica, paciência e amor: requisitos básicos para o profissional

Ter tranquilidade, paciência e muito amor aos animais são preceitos básicos, aliados, é claro, a uma excelente técnica em banho e tosa. Receber um animalzinho requer cuidado e uma sensibilidade apurada para entendê-lo com um ser com suas particularidades e necessidades.
É preciso se livrar de preconceitos e ser mais receptivo ao que aquele cachorro, especificamente, está dizendo. Entendê-lo e respeitá-lo é uma forma ímpar de carinho e os profissionais de banho e tosa precisam ter isso em mente. Os cães sentem o amor pelo tom de voz, pelo olhar, pelo toque, pela forma como os seres humanos se comportam em relação a eles. Por isso, não há como fingir. É preciso, de fato, sentir.
 

A recepção faz a diferença na hora do banho e tosa

Receber o cachorro para o banho e tosa de uma forma alegre e tranquila, sem invadi-lo e respeitando seu momento de reconhecimento do ambiente e das pessoas é fundamental. Os animais precisam desse tempo para explorarem o ambiente, sentirem-se seguros e para se acalmarem. O profissional deve deixar que o cão observe, cheire e conheça este novo espaço. Esta necessidade ocorrerá em todas as visitas que ele fará ao pet shop. Um lugar tranquilo, sem muito barulho e com poucas pessoas na recepção, torna esse momento da chegada menos estressante.
 

Check-list do banho e tosa para tudo fluir melhor

Ter um check-list em mãos com os passos dos processos de banho e tosa facilita o trabalho e faz com que tudo flua melhor, pois o profissional já sabe quais são as etapas que devem ser concluídas e nenhum item fica para trás. Com esse apoio do check-list, o responsável pela higiene fica mais seguro e, consequentemente, passa essa sensação de segurança para o animal. As etapas básicas a serem consideradas são:

  1. Interação: estabelecer uma interação positiva com o animal.

  2. Preparação: limpeza de ouvidos e remoção de nós.

  3. Pré-lavagem: remoção da sujeira mais pesada e oleosidade da pele e pelagem.

  4. Lavagem: uso de shampoos apropriados.

  5. Condicionamento: hidratação de pele e pelo.

  6. Secagem: uso de soprador ou secador.

 

Como lidar com a agressividade na hora do banho

Alguns cachorros podem mostrar sinais de agressividade na hora do banho e tosa. O fato de latir, rosnar e tentar morder pode acontecer, justamente, como uma tentativa de acabar logo com aquela situação incômoda. É preciso ficar atento e adotar estratégias diferentes para que a agressividade acentuada neste momento não gere riscos nem para os humanos, nem para o animais.
Se o animal mostra agressividade, sempre que possível, estabeleça uma relação positiva e divertida com ele e realize o banho e tosa em outro dia. Outra alternativa é aguardar para que ele possa ter tempo de tranquilizar-se. Se houver risco, usar focinheiras, mas o ideal é que ele tenha sido acostumado em casa com este equipamento. Demonstrar habilidade para lidar com as diferentes situações é que fará a diferença.
 
Com essas informações e dicas, o banho e a tosa podem ser muito mais tranquilos e agradáveis para os animais de companhia e os profissionais que desempenham essas tarefas. Vamos juntos melhorar os serviços prestados aos nossos companheiros de quatro patas? Compartilhe! Para mais dicas, acesse o site do Psicologia Animal, um canal voltado ao comportamento animal e fonte de conteúdo para um melhor viver e conviver entre os seres.

1 Comentário

  1. Amanda 2 anos atrás

    Olá meu nome é amanda moro próximo metro Itaquera gostaria de manda meu currículo estou a procura do meu primeiro emprego

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Abrir chat
Precisa de ajuda?
Olá!
Como podemos te ajudar?