Você tem alguma dúvida? contato@psicologiaanimal.com.br

Biologia e Comportamento Animal: as relações entre seres e o meio ambiente

Biologia e Comportamento Animal: as relações entre seres e o meio ambiente
10/03/2020 admin

As formas de cães e gatos existirem no mundo são diferentes. As formas como eles se relacionam e reagem aos outros seres e ao meio que os cerca são diferentes. As formas como se comunicam e interagem entre si e com os seres humanos são diferentes. Olhar para o comportamento das espécies com a especificidade de cada uma, reconhecer e compreender suas características é um caminho de cuidado, afeto, acolhimento e melhor convivência entre todos. 
A consciência presente nesse olhar oferece bem-estar aos cães, gatos e seus tutores. Para colocar luz e trazer a questão para mais próxima do nosso dia a dia, a diretora operacional e finanças do Psicologia Animal, graduada em Biologia e em Medicina Veterinária, Viviane Guyoti, esclarece o tema na entrevista abaixo. Ela destaca aspectos biológicos envolvidos no comportamento dos animais de companhia, as relações com os seres humanos e o meio que os cerca e as possíveis reações e alterações emocionais desencadeadas por determinados gatilhos, como é o caso da depressão em cães e gatos.
Aproveite a leitura, adquira conhecimento e transforme a relação com o pet!

Como a Biologia compreende o comportamento animal? 

Fazendo uma análise sobre os aspectos biológicos, o comportamento dos animais não humanos são caracterizados da mesma forma que em seres humanos. Estamos falando de comportamento para toda e qualquer reação que um animal expressa mediante aos estímulos do meio ambiente que o rodeia (estímulos de outros indivíduos, sentimentos ou necessidades por exemplo). 
O comportamento pode ser expressado por um grupo de atividades ou reações, ou apenas uma só e, portanto, didaticamente, podemos dividir esses comportamentos dos animais tais como, comportamento social, comportamento alimentar, comportamento de eliminação, comportamento reprodutivo, dentre outros.

Quais aspectos biológicos podemos ver refletidos no comportamento de cães e gatos? Poderia citar alguns exemplos? 

A cada resposta ou reação de um animal podemos observar aspectos biológicos envolvidos. A necessidade de se alimentar e posteriormente eliminar seus dejetos, de se reproduzir em períodos determinados, manifestar comportamento de caça e até sua capacidade (ou não) de se socializar são aspectos intimamente envolvidos com herança genética, instinto, evolução, aprendizado em vida e manutenção da saúde e equilíbrio de seu organismo. Isto é biologia! Mas alguns desses comportamentos são bastante distintos entre cães e gatos (ouso dizer que alguns deles são inclusive opostos). 
Por exemplo: os gatos são animais que, naturalmente, tendem a buscar o isolamento e se dedicam pouco à vida social com outros animais e seres humanos em relação aos cães, que buscam interação social grande parte do dia e necessitam viver em grupo, formando matilhas. Além disso, outro bom exemplo é o comportamento alimentar: gatos são exímios caçadores e são estritamente carnívoros (não podem ser vegetarianos por exemplo), enquanto que cães, atualmente, expressam bem menos o comportamento de caça e já é considerada uma espécie onívora, assim como nós.

De que forma os animais de companhia se comunicam com os seres humanos? Como eles se expressam?

Eu considero essa pergunta uma das mais complexas porque eu entendo que um dos grandes problemas da humanidade contemporânea é a comunicação. Os seres humanos precisam urgentemente aprimorar suas capacidades comunicativas e adaptá-las ao nosso universo atual. Isso reflete diretamente na convivência com os animais porque dependemos da observação e do conhecimento para compreender que gatos se comunicam de formas diferentes do que os cães e que não devemos tratá-los da mesma maneira. 
Cães e gatos possuem padrões específicos de vocalização e de comunicação não verbal, tanto com outros animais, quanto com as pessoas a sua volta. O tempo de convivência e a evolução ao lado dos humanos têm tornado a comunicação ainda mais adaptada a esta convivência. Quem tem cachorro, gato ou ambos sabe o quanto eles podem falar pelos olhos, com o corpo (usando o rabo, as patas, orelhas, boca, barriga, etc.) além dos diferentes padrões de vocalização, cada qual com seus significados. 

As emoções expressas nos seres humanos – quando sorriem ou choram, por exemplo – são reconhecidas por seus cães ou gatos?

A empatia, que é a capacidade de um indivíduo compreender emocionalmente ou de projetar a personalidade de alguém num objeto, tem sido amplamente estudada no mundo por comportamentalistas e em diferentes espécies animais. Há vários registros que evidenciam a capacidade de reconhecimento das emoções humanas por seus animais de convivência. Claramente também há diferenças de reconhecimento entre cães e gatos devido o tempo de evolução do cão ser milhares de anos a mais ao lado do ser humano do que os felinos domésticos. 

Cães e gatos podem ficar depressivos? Quais os sinais e como ajudá-los? 

Sim. Tanto podem que até ficam! São vários os gatilhos motivadores para o desenvolvimento da depressão em cães e gatos. Por isso, há necessidade de consultar um Médico Veterinário de confiança, preferencialmente, um especialista em etologia clínica, para se ter um diagnóstico mais preciso sobre os possíveis distúrbios de comportamento (e depressão é um deles). É muito comum atendermos casos de animais depressivos por sofrerem isolamento prolongado, não viverem em um ambiente adequado para ele manifestar seu comportamento natural, restrição de espaço, falta de interação social e até doenças orgânicas, por exemplo. 
Os sinais de um animal deprimido se assemelham com os de seres humanos, mas às vezes se tornam menos perceptíveis dependendo do modo de vida da família, tipo de ambiente em que vivem e até a idade do animal. Sinais comuns são a falta de energia, perda de interesse por atividades que antes gostava, tristeza, apatia ou irritabilidade, alteração de apetite (muito ou pouco) e sono (dormir demais ou menos do que o usual). Vale dizer que muitos desses sinais também podem aparecer nas doenças não relacionadas com a depressão e por isso reforço a necessidade de uma visita ao Médico Veterinário. 

Quais os benefícios da interação entre humanos e seus animais de companhia? Como a relação entre os seres pode contribuir para a saúde e o bem-estar?  

Posso dizer que hoje que os benefícios chegam a ser imensuráveis! O bem que um animal pode fazer na vida de um ser humano, e vice e versa, pode ser contado no combate a doenças, no fortalecimento dos laços de amizade e amor ao próximo, na diminuição do sedentarismo e estresse, no amadurecimento no cuidado com o próximo, na contribuição com a sanidade mental, na melhora da saúde do corpo e na presença de mais otimismo para o dia-a-dia. 

Gostou das informações que dividimos aqui? Compartilhe com outros tutores e profissionais da área pet. O Psicologia Animal, criado em 2009, é um instituto voltado para o bem-estar e, em especial, o comportamento animal. Acesse nosso blog e confira orientações importantes para o bem-estar e a saúde de cães e gatos.

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Abrir chat
Precisa de ajuda?
Olá!
Como podemos te ajudar?