​​
Você tem alguma dúvida? contato@psicologiaanimal.com.br

Relação entre humanos e bichos: um amor de milhares de anos

Relação entre humanos e bichos: um amor de milhares de anos
07/04/2017 danilofonsecaa

Sim, a relação entre humanos e bichos existe há muito tempo. No princípio do processo evolutivo, a essência de tudo residia na natureza e os animais que eram depositários de poderes sobrenaturais. 
Este assunto foi tema de uma reportagem discutida por Ceres Faraco, diretora acadêmica e científica do Psicologia Animal, que falou como a mudança na perspectiva de encarar a natureza colocou por terra alguns princípios.
Acompanhe a leitura para entender mais sobre a relação entre bichos e humanos:

No começo de tudo: qual era a relação da natureza com os animais?

No princípio do processo evolutivo, a essência de tudo residia na natureza e os animais eram depositários de poderes sobrenaturais. 
Surgiram então divindades como Anúbis (homem com cabeça de chacal, considerado deus da morte e das Necrópoles), Bastet (a deusa gata, associada à fertilidade e protetora das mulheres grávidas), Sekhmet (representada por uma mulher com cabeça de leoa, deusa da Guerra e das Doenças), entre muitos outros.
É somente quando a humanidade – identificada como reflexo da imagem de Deus – adquire poder e singularidade que surge um distanciamento da natureza. O reconhecimento de uma superioridade diante do mundo abre o caminho para o avanço tecnológico, mas isola os humanos da convivência com outros seres. 

Na contemporaneidade, os paradigmas mudaram

“Na contemporaneidade, os paradigmas mudam, pois a fórmula anterior não funcionou e o homem começa a ver que a natureza não serve para o seu uso e abuso; assim o mundo natural deixa de ser tratado como decadente e miserável”, destaca a veterinária, doutora em psicologia e membro da Comissão de Ética e Bem-Estar Animal do CFMV-RS, Ceres Berger Faraco.
A mudança na perspectiva de encarar a natureza colocou por terra alguns princípios. Para alguns autores, animais como os cães desejam a aproximação e, ao invés de domesticação, o que houve foi uma aceitação mútua das espécies. 
Para Ceres, uma das maiores provas dessa teoria reside no fato que animais não sociais nunca permitiram a domesticação. “O comportamento adaptativo dos animais, especialmente do cão, faz parte do processo evolutivo.“
Há cães, por exemplo, que preferem estar com pessoas à outros cães”, pontua a pesquisadora, lembrando que essa adaptação teve um preço: por um lado a perda de liberdade, do outro a responsabilidade com a sobrevivência de um parceiro mimado.

A convivência entre humanos e cães

A convivência entre homens e caninos possibilitou que as duas espécies conseguissem desenvolver um sistema de comunicação singular, onde gestos e comportamentos são interpretados e encontram resposta. 
Segundo Ceres, o lobo, por exemplo, não pode olhar e reconhecer a expressão facial do homem. “O cão faz isso com maestria e isso sinaliza que os dois estão articulados para conviver”, afirma, lembrando o caso das meninas lupinas, na Índia, que foram criadas por uma matilha e, depois de trazidas ao convívio com humano, nunca se adaptaram ao convívio social. 
“Há uma congruência entre as espécies e assim como o cão, o homem também pode ser culturado”, garante.
 
Ceres Berger Faraco, diretora acadêmica e científica do Psicologia Animal, é graduada em Medicina Veterinária, especialista em Toxicologia,  mestre e doutora em Psicologia com período de pesquisa na Universidade de Valência, na Espanha. Atualmente é coordenadora e professora do Curso de Especialização em Comportamento Animal da Unifeob (SP) e professora do Curso de Veterinária do  Centro Universitário Ritter dos Reis, UniRitter. Em clínica, trata de distúrbios comportamentais dos cães e gatos, sempre na busca por oferecer a melhor qualidade de vida possível. Ceres é ainda presidente da Associação Latino-Americana de Zoo-Psiquiatria (AVLZ) e vice-presidente da Associação Médico Veterinária Brasileira de Bem-Estar Animal (AMVEBBEA). Ceres é figura atuante em palestras pelo Brasil e pelo mundo.
O Psicologia Animal, criado em 2009, é um instituto voltado para o bem-estar e, em especial, o comportamento animal. Por meio de sua plataforma digital, pioneira no segmento, promove cursos e outras atividades de ensino e é referência na divulgação, formação, implementação e produção de conhecimento sobre as relações entre seres humanos e os demais animais. 
Acesse nosso blog e confira orientações importantes para o bem-estar e a saúde de cães e gatos.

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

Abrir chat
Precisa de ajuda?
Olá!
Como podemos te ajudar?