Você tem alguma dúvida? contato@psicologiaanimal.com.br

Senciência animal: assim como nós, eles também sentem

Senciência animal: assim como nós, eles também sentem
30/06/2019 admin

A diretora do Psicologia Animal, Médica Veterinária, mestre e doutora em Psicologia, Ceres Faraco, concedeu entrevista à Revista Animal Star sobre senciência animal e sobre a preocupação que nós, humanos, devemos ter ao lidar com eles.
Saiba o que as últimas pesquisas têm falado sobre senciência animal e outras questões importantes que os humanos devem ter em relação aos animais. Confira a entrevista completa:
 

O que as últimas pesquisam falam sobre senciência animal? 

As últimas pesquisas abordam a importância do animal desfrutar de emoções negativas e positivas para expressar seu comportamento natural, como ocorre na vida real para todos os seres vivos.
Cabe salientar que a principal preocupação é sobre os seres sencientes terem uma vida social complexa, mecanismos de comunicação, grupos organizados e laços familiares. Por isto, atualmente, se conhece que a ruptura dessas relações traz prejuízos significativos e sofrimento para estes animais.
 

É verdade que somente os animais vertebrados é que têm senciência animal?

Não é verdade. Nas pesquisas dos últimos anos foi demonstrado que muitos invertebrados também apresentam a mesma sensibilidade, tais como o polvo, a lula e o choco, entre outros.
 

Qual a responsabilidade do ser humano ao saber que os animais não humanos são sencientes? 

O conhecimento sobre a senciência animal cria o dever de melhorar nossas atitudes em relação aos demais animais que estão incluídos em nossa sociedade, em nossa família e em nosso nicho ecológico. 
Hoje não é mais possível negar a imensa extensão do impacto humano sobre a qualidade de vida e saúde dos animais não humanos e o quanto nossa desastrosa atitude tem sido fator de dores e sofrimento para eles.  
 

Como a Sra. avalia a explosão do “fenômeno pet” em todo o mundo (animais domésticos passaram a ser membros das famílias humanas)?

Em um primeiro momento, entendi o fenômeno como um reconhecimento sobre a nova configuração social entre pessoas e animais, que legitima os vínculos familiares sem necessidade de laços de sangue ou de pertencimento à mesma espécie, uma legitimação desta parceria inestimável. 
No entanto, hoje, tenho preocupação por identificar o esquecimento por parte das famílias humanas sobre as necessidades específicas de outra espécie e diferentes das nossas. Isto tem provocado percepções errôneas e comprometimento do bem-estar dos “pets”.
 
Revista Animal Star
 

Agora, conte-nos um pouco mais sobre você

Sou Médica Veterinária, mestre e doutora em Psicologia e também atuo como criadora do site Psicologia Animal (INSPA) onde compartilho conhecimentos sobre os temas que estudo apaixonadamente: animais e a relação humano-animal. Muito obrigada pela participação!
Nossas informações sobre comportamento animal foram importantes para você? Compartilhe conhecimento com outras pessoas. Acesse nosso blog e confira orientações importantes para o bem-estar e a saúde de cães e gatos.

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Abrir chat
Precisa de ajuda?
Olá!
Como podemos te ajudar?